XVIII Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros

Perguntas Frequentes

A Aldeia Multiétnica e o Encontro de Culturas são eventos distintos?

Não. A Aldeia Multiétnica é a primeira etapa do Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros, que em 2018 também inclui a Feira de Experiências Sustentáveis do Cerrado em sua programação. Juntos, todos esses encontros formam um só evento, de 13 a 28 de julho de 2018.

Como faço para participar do Encontro de Culturas na Vila de São Jorge?

Após o término da vivência na Aldeia Multiétnica, no dia 20 de julho, todos dirigem-se à Vila de São Jorge, quando os indígenas passam o “comando” da festa às comunidades remanescentes quilombolas e aos mestres das culturas tradicionais e populares. A programação do Encontro de 21 a 28 de julho é muito rica. No período, a Vila é tomada por oficinas, rodas de prosa, shows, cortejos e procissões, que acontecem pelas ruas de São Jorge e na Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge, entidade realizadora do Encontro. Teremos atividades gratuitas e pagas. Ingressos antecipados estão à venda neste site, na seção “Pacotes”. Garanta a sua participação.

Vale a pena comprar os pacotes do Encontro de Culturas?

Sempre pensando no bem-estar dos visitantes que participam do Encontro, e buscando a sustentabilidade do evento, este ano lançamos pacotes que incluem hospedagem (em camping ou hostel) e os shows e oficinas realizados na Casa de Cultura. Confira as opções disponíveis na seção “Pacotes” do menu deste site.

Como faço para chegar à Vila de São Jorge?

São Jorge fica a 220 km de Brasília, a cerca de 3h de CARRO (veja rota, partindo de Brasília); de ÔNIBUS (pela companhia rodoviária Real Expresso – um táxi do aeroporto Juscelino Kubitschek ao terminal rodoviário da capital sai por volta de R$ 50. Do terminal, há duas saídas com destino a Alto Paraíso de Goiás, da qual a vila de São Jorge é distrito e fica a 36 km de distância: todos os dias, às 10h e às 21h, por cerca de R$ 40 a passagem); FRETE (de Brasília a Alto Paraíso ou São Jorge), com o João Tomé (62/9666-1007), com custos entre R$ 50 e R$ 100, dependendo do número de pessoas; CARONA (entre na Central de Caronas do Facebook (https://www.facebook.com/groups/169802669867624).*

*Frequências, horários e preços sujeitos a alterações.

Quais são as atrações do Encontro de Culturas?

A programação do Encontro de Culturas está disponível neste site, onde é diariamente atualizada. É importante salientar que nosso evento é vivo, por isso algumas alterações podem ser feitas ao longo do festival de acordo com as solicitações e decisões dos grupos tradicionais e convidados.

Por que algumas atrações do Encontro de Culturas são pagas?

Em 2018, o Encontro de Culturas está desassistido de políticas públicas, apoios e patrocínios, o que inviabiliza o enorme número de atrações gratuitas que foram garantidas nos anos anteriores. Em nossa 18ª edição, para que continuemos a missão da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge, de “proporcionar encontros que valorizem a sociobiodiversidade, possibilitando a troca de saberes e fazeres”, os shows e oficinas serão cobrados, a preços populares, para que os gastos com transporte, alimentação e hospedagem dos grupos tradicionais e de cultura popular sejam custeados. Desta forma, o público, que sempre aproveitou as atrações únicas proporcionadas pelo Encontro de Culturas gratuitamente por tantos anos, vai nos ajudar a realizar nossa 18ª edição. Será mais um evento de resistência, realizado pelo coletivo, em busca da sustentabilidade deste espaço cultural.

Onde posso me hospedar na Vila de São Jorge?

Disponibilizamos uma lista de pousadas, campings e casas para alugar em nosso site. Veja na aba “São Jorge”.

O Camping & Hostel do Encontro está ligado à Casa de Cultura?

O Camping & Hostel do Encontro é mais um dos espaços da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge em busca de sustentabilidade para seus projetos socioculturais. Se hospedando nele você também ajuda a entidade, pois permite uma renda que nos ajudará ao longo de todo o ano na manutenção dos projetos. Para garantir uma vaga, ligue para o André (61) 9 8182-9719 ou mande uma mensagem privada na página do Facebook: www.facebook.com/campingdocavaleiro/

Posso ser voluntário do Encontro de Culturas?

Em 2018 nossa equipe de produção e comunicação está completa. 

Como vender o meu produto durante o Encontro de Culturas?

Nós não nos responsabilizamos pela venda de produtos durante o Encontro de Culturas. Para vender na Feira de Experiências Sustentáveis do Cerrado, acesse o edital e cadastre-se.

Como vender o meu produto na Feira de Experiências Sustentáveis do Cerrado?

Expositores serão selecionados para ocupar 18 estandes na Feira de 2018. Leia o edital e inscreva-se para garantir uma vaga.

Como faço para participar da vivência na Aldeia Multiétnica?

Em 2018, a Aldeia Multiétnica vai acontecer de 13 a 20 de julho. Para participar, você precisa acessar o site www.aldeiamultietnica.com.br e entrar na seção PACOTES do menu, para ver os pacotes ainda disponíveis.

Se eu não comprar o pacote da vivência, ainda poderei visitar a Aldeia Multiétnica?

Sim. A experiência da vivência completa é única e representa o propósito da Aldeia Multiétnica – quando todos incorporam-se ao cotidiano de uma aldeia indígena –, mas também abrimos para visitação todos os dias, das 14h às 18h, para que mais pessoas tenham a oportunidade de realizar essa troca intercultural. O preço da entrada será R$ 35 (compra antecipada no site www.aldeiamultietnica.com.br), o que também dá direito à visitação dos atrativos da terra, como o rio Couro e as cachoeiras Almécegas I e II. Garanta seu ingresso e participação antecipadamente. Na portaria, os preços serão mais altos e há limite diário de visitantes.

Por que os preços da vivência na Aldeia são esses?

Os preços dos pacotes da vivência na Aldeia Multiétnica são minuciosamente calculados pela equipe técnica da Casa de Cultura Cavaleiro de Jorge, que realiza o evento há 12 anos (a serem completados em 2018). São calculados os custos com alimentação (café da manhã, almoço e jantar) por 7 dias, contratação de profissionais que trabalham diariamente durante o evento, o transporte e a alimentação dos grupos indígenas que saem de suas aldeias em diversas regiões do Brasil para participarem do evento, fora os gastos com infraestrutura e manutenção do espaço, que mantemos durante o ano inteiro. Para realizarmos um evento desse porte, sem apoios e patrocínios financeiros do governo e de empresas parceiras, dependemos dos pacotes vendidos e das entradas diárias para pagar as despesas e dar continuidade ao trabalho pelo fortalecimento da cultura dos povos indígenas. Caso contrário, a realização do evento torna-se impossível.

Como é a vivência na Aldeia Multiétnica?

No evento, respeitamos a dinâmica indígena, que é naturalmente mais livre e passa por momentos decididos pelas próprias lideranças. A intenção é que, iniciada a vivência, todos incorporem-se ao cotidiano de uma aldeia. No nosso caso, estaremos convivendo com diferentes etnias indígenas ao longo da semana. A vivência possibilita o aprendizado sobre os fundamentos da organização social indígena, além de rudimentos do idioma, do artesanato, da gastronomia, das pinturas corporais, dos cantos, das danças e de outras manifestações culturais desses povos. É a oportunidade de conviver com líderes, xamãs, artesãos, agricultores. Uma dinâmica que oferece conhecimentos históricos, culturais e sociais das etnias participantes e dos povos indígenas em geral. Indígenas e não-indígenas têm a oportunidade de trocar conhecimentos e experiências em rodas de prosa, oficinas, exposições fotográficas e exibição de filmes.  Pautas como educação, saúde e políticas públicas ganham destaque em debates que envolvem lideranças indígenas e representantes do poder público.

O que devo levar para a vivência na Aldeia?

É imprescindível trazer barraca (ou rede), lanterna, repelente, cobertor e roupa de frio. À noite faz muito frio, por isso é importante trazer o máximo de agasalho, cobertor e sacos de dormir que puder. Durante o dia e à tarde faz bastante sol, por isso traga roupa de banho e roupas frescas e confortáveis. Pedimos também que os aderentes ao pacote completo tragam um kit com prato, garfo, faca, copo e colher, para uso próprio ao longo da vivência.

A Aldeia Multiétnica é uma aldeia de verdade?

A Aldeia é um território criado em uma propriedade a 20 km de Alto Paraíso de Goiás, na Chapada dos Veadeiros, onde recebemos diferentes etnias indígenas para uma experiência de convivência e imersão na natureza e nas culturas indígenas. Dentro dessa nova propriedade estão o rio Couros e as cachoeiras Almécegas I e II, que poderão ser visitadas pelos participantes do evento à vontade.

Como faço para chegar na Aldeia?

O transporte até a Aldeia Multiétnica é por conta do participante. Placas indicativas e mapas serão divulgados após a inscrição para facilitar o acesso. A entrada para a aldeia está localizada a 5 km antes de Alto Paraíso de Goiás, vindo de Brasília. A estrada de terra que leva até o local tem 14 km e está em boas condições. Você pode utilizar o grupo do Facebook Caronas – Cachoeiras da Chapada para organizar caronas até o espaço, já que o fluxo de turistas aumenta bastante nessa época.

Em 2018, temos uma agência parceira, a Tekoá, que disponibilizará vans de ida e volta de Brasília e Alto Paraíso até a Aldeia. Entre em contato e veja as condições e disponibilidade: Fernanda (62/9 9852-7183) ou Marcos (62/9 9632-1138). E-mail: info@tekoabrasil.com.