Apresentação do Encontro Veja a programação do Encontro Conheça os artistas Confira as Rodas de Prosa Feira de Oportunidades Sustentáveis Oficinas ministradas durante o Encontro Mostra de Cinema Petrobras Diário de São Jorge Material para imprensa Ficha Técnica do Encontro Entre em contato
 

As Rodas de Prosa do VII Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros são uma oportunidade para grupos, mestres e público trocarem experiências e confrontarem suas visões de mundo, priorizando a abertura de um espaço de encontros e diálogos entre os povos. O objetivo é partilhar experiências, histórias de vida, práticas e tradições culturais.

A memória de um povo é fundamental para a criação e recriação de sua identidade, valores e auto-estima. Por isso, as Rodas de Prosa tem como tema principal a memória. São visões de mundo de povos indígenas, histórias de comunidades regionais e da ocupação do cerrado que guiam as conversas de cada roda. É pelo viés da memória que o passado é pensado, rememorado e reelaborado.

As Rodas de Prosa deste ano contam com os Laboratórios de Memória Oral ministrados por Roberto Corrêa, com Vivências dirigidas pela artista africana Fanta Konatê e pelo percussionista e musicoterapeuta brasileiro Luis Kinugawa, e com os espaços de debate das Rodas de Prosa, tendo a mediação e a participação de Marise Barbosa (curadora do Encontro), Ricardo Attuch (sociólogo e consultor do convênio Unesco/Embratur), Luis Schiavini, Teresinha Dias (técnica da Embrapa Cenargem) e Othon Leonardis (professor).

Os debates serão conduzidos pelos mediadores com o foco direcionado nos diálogos e contribuições dos representantes das culturas populares. 

Veja a programação das Rodas de Prosa do VII Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros:

21 de julho (sábado)

Laboratório de memória oral: o uso da voz na cultura popular
Por meio de exemplos musicais tirados de gravações de cultura popular, o músico e pesquisador Roberto Corrêa apresenta as nuanças vocais do nosso povo e as diferentes maneiras de entoar a voz no canto.
Mediador: Roberto Corrêa
Horário: 10h às 12h
Local: Espaço Petrobras

Vivência Fanta Kanotê
A artista africana da República da Guiné, Fanta Kanotê, vinda de uma família com tradição musical, apresenta sua música e a dança Malinkê guineana aos membros das comunidades remanescentes de quilombos Kalunga e Santa Rosa (praticantes da Folia do Divino e do Tambor de Crioula).
Participantes: Quilombos Kalunga e Santa Rosa
Horário: 14h às 16h
Local: Espaço Petrobras

 

22 de julho (domingo)

Laboratório de memória oral: a viola caipira
Utilizando uma abordagem histórica, com exemplos musicais, Roberto Corrêa apresenta os diferentes contextos musicais onde a viola está presente.
Mediador: Roberto Corrêa
Participação Especial: Zé Mulato e Cassiano
Horário: 10h às 12h
Local: Espaço Petrobras - Estande de Cinema

Vivência com Luiz Kinugawa
Percussionista e musicoterapeuta que viveu dois anos na República da Guiné, Kinugawa faz uma palestra ilustrada de sua trajetória, da cultura Malinkê, da biomúsica e dos trabalhos do Instituto África Viva.
Horário: 14h às 16h
Local: Espaço Petrobras

Políticas Públicas para Comunidades Tradicionais
Horário: 09h às 12h
Local: Espaço Petrobras

 

23 de julho (segunda)

Laboratório de memória oral: cultura popular no Brasil Central
Apresentação da diversidade cultural, especialmente musical e religiosa, do cento do Brasil, pelo músico e pesquisador Roberto Corrêa.
Mediador: Roberto Corrêa
Horário: 10h às 12h
Local: Espaço Petrobras

Mestras: mulheres que tocam músicas e vidas
Um espaço para as mestras, cantoras, dançadeiras e devotas falarem sobre suas histórias de vida, memórias, seu papel de mulheres que tocam vidas e músicas. As mulheres, principalmente as camponesas, indígenas e de comunidades tradicionais, poucas vezes tiveram voz para darem a sua versão da história. A história oficial, a que aprendemos na escola, e as estórias que ouvimos por aí são geralmente contadas por homens, constituindo uma visão masculina da realidade. Pautadas em tradições patriarcais, as manifestaçoes da cultura popular são geralmente lideradas por homens, o que torna surpreendente encontarmos mulheres tocando caixa e levando em frente uma tradição como a da Folia do Divino, por exemplo, tão popular no Brasil.
Mediadoras: Marise Barbosa e Andréa Boni
Participação Especial: Maria Bernadete Lopes da Silva (FUNDAÇÃO PALMARES)
Participantes: Zabé da Loca (PB), Caixeiras do Divino (MA), Mulheres Kalunga (GO), Caçada da Rainha (GO), Congo de Nossa Senhora do Rosário (BH).
Horário: 14h às 17h
Local: Pousada Pôr-do-Sol

IV Campeonato Internacional de Piadas
Organização: Velho Joe
Horário: 17h30 às 20h
Local: Bar do Seu Claro

 

24 de julho (terça)

Cosmovisões indígenas: mitos de criação e modos de ser
Grande parte do hiato que há entre o universo dos indígens e dos não-indígenas deve-se a uma profunda diferença entre os modos de ser, de pensar e representar o mundo destes povos. A especificidade dos modos de ser e pensar indígenas é freqüentemente expressa por meio dos mito de criação. O mundo ameríndio é permeado de construções míticas. Esta é a maneira como um povo elabora sua história e entende a si próprio através de diversas construções metafóricas e metonímicas com o mundo animal e com formas da natureza. Esta roda é um espaço para lideranças indígenas contarem seus mitos e refletirem sobre esta forma de construir pessoas e histórias.
Mediadores: Fernando Schiavini e Luciana Mesquita
Participantes: Álvaro Tukano e Getúlio Krahô
Horário: 09h às 12h
Local: Espaço Petrobras

Um dedin de prosa: estórias e memórias
A credibilidade e veracidade da história não estão apenas nas fontes documentais históricas. A  história oral, pautada em relatos tirados da  memória de pessoas que vivenciaram ou tiveram acesso a relatos de determinados fatos ou momentos importantes, vem sendo cada vez mais considerada pela história como disciplina científica. Muito mais que datas e fatos, que compõe a história com ‘h’, as estórias de mestres, artesãos e pessoas de comunidades tradicionais transmitem uma visão de mundo particular, com riqueza de detalhes e construção poética que nenhuma história com ’h’ pode fornecer, além de serem tão confiáveis quanto ela. Os participantes desta roda contarão histórias e estórias, com a oportunidade de se ouvirem e de trocarem memórias e experiências entre si.
Mediadora: Marise Barbosa
Participantes:  Seu Josué, Mestre Zé Divina, Seu Domingos, D. Romana, D. Procópia e Seu Claro
Horário: 14h às 17h
Local: Pousada Pôr-do-Sol

 

25 de julho (quarta)

Reconhecendo-se pela arte e pela história: a memória tribal (memória da ocupação do cerrado)
Espaço para os indígenas dialogarem e  trocarem experiências. A Roda de Peosa pretende explorar e reconstruir a memória da ocupação do cerrado a partir de depoimentos de membros das etnias indígenas, da Comunidade Kalunga e Moradores da Região da Chapada dos Veadeiros.
Mediador: Fernando Schiavini (indigenista)
Participação Especial: Prof. Othon Leonardis e Luciana Mesquita
Participantes: Povos dos grupos indígenas Avá-Canoeiro, Tapuio, Krahö, Xerente, Xavante e Maxakali, membros da Comunidade Kalunga e Moradores da Região da Chapada dos Veadeiros, Frederico (Fundão, trabalha a com a fibra do coco indaiá), Dona Flor (Moinho), Seu José Coelho (Colinas do Sul - GO)
Horário: 14h às 17h
Local: Aldeia Indígena Multi-étnica (Pousada Aldeia da Lua)

 

26 de julho (quinta)

Debate e lançamento do livro e documentário “Caçada da Rainha - A Festa da Fé”
Lançamento do livro e filme: “Caçada da Rainha - A festa da fé”  produzidos por meio da parceria entre ASJOR (Associação Comunitária da Vila de São Jorge) e IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional). Haverá a exibição do filme e um debate entre membros da equipe do projeto, representante do IPHAN e participantes da  Caçada da Rainha do município de Colinas do Sul (GO).
Mediador: Teresa Chaves (Departamento de Patrimônio Imaterial DPI/IPHAN)
Participantes: Tais Benício, Geronei Coelho e Lillian Brandt
Horário: 10h às 12h
Local: Espaço Petrobras

Reconhecendo-se pela arte e pela história: a memória regional
Apesar de incontáveis particularidades e diferenças existentes entre os mais diversos grupos humanos do cerrado - indígenas, moradores da zona rural e de pequenos povoados, quilombolas, entre outros -, há um grande elo entre eles. A história em comum, principalmente a partir da colonização do Centro-Oeste (mais especificamente de Goiás e Tocantins), a convivência direta ou indireta neste espaço, o compartilhamento de algumas manifestações religiosas, artísticas, as formas de uso da vegetação do cerrado serão temas de debate desta roda.
Mediador: Ricardo Attuch
Participação Especial: Prof. Othon Leonardis e Luciana Mesquita
Participantes: Povos dos grupos indígenas Avá-Canoeiro, Tapuio, Krahö, Xerente, Xavante e Maxakali, membros da Comunidade Kalunga e Moradores da Região da Chapada dos Veadeiros, Frederico (Fundão, trabalha a com a fibra do coco indaiá), Dona Flor (Moinho), Seu José Coelho (Colinas do Sul - GO)
Horário: 14h às 17h
Local: Associação Comunitária da Vila de São Jorge - ASJOR

 

27 de julho (sexta)

As perspectivas e desafios do documentário indígena e ambiental do Brasil
Mediador: Sandoval Amparo
Participantes: Joel Pizzini (cineasta, diretor do filme “500 almas”), Thiago Briglia (Diretor do filme “Nas Trilhas de Macunaíma”) e Eliene Rodrigues (Produtora do filme “Nas Trilhas de Macunaíma”)
Horário: 10h às 12h
Local: Espaço Petrobras – Estande de Cinema

Reconhecendo-se pela arte e pela história: a biodiversidade do cerrado (memória da ocupação do cerrado)
Caminhada monitorada no Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros
Horário: 9h às 12h
Local: Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

Uso das plantas para a adaptação dos homens no cerrado
Mediadora: Terezinha Dias
Participação Especial: Prof. Othon Leonardis e Luciana Mesquita
Participantes: Povos dos grupos indígenas Avá-Canoeiro, Tapuio, Krahö, Xerente, Xavante, Maxakali, membros da Comunidade Kalunga e Moradores da Região da Chapada dos Veadeiros, Frederico (Fundão, trabalha a com a fibra do coco indaiá), Dona Flor (Moinho), Seu José Coelho (Colinas do Sul - GO)
Horário: 14h às 17h
Local: Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável para Povos de Comunidades Tradicionais
Mediadora: Tereza Moreira (MMA)
Participantes: Carmem di Simoni e Elaine Tozzi do Ministério da Saúde - DAB, Lilian Brandt - Assessora Técnica do Programa de Promoção da Igualdade de Gênero, Raça e Etnia do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Dionatan Cirilo de Souza - Representante Quilombola do Conselho das Comunidades Afro-Descendentes do Amapá, Wilder da Silva Santos - Superintendente Regional Adjunto da Superintendência Regional do INCRA - SR28
Horário: 09h às 12h e 14h às 17h
Local: Espaço Petrobras

 


Programe agora sua viagem para São Jorge. Encontre as pousadas, campings e restaurantes da Vila.


Avá–Canoeiro – Solidão como herança

26/05/09 - IX Encontro de Culturas
Vem aí o IX Encontro de Culturas Tradicionais da Chapada dos Veadeiros

02/08/08 - Encontro
Zambiapunga e Turma que Faz celebram o fim do VIII Encontro de Culturas Tradicionais

02/08/08 - Arcoverde na Chapada
"É só tocar um pouco de Fogo que a explosão ocorre”